quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

M. C. Esher - a Arte e a Matemática


EXPOSIÇÃO TEMÁTICA DA BIBLIOTECA ESCOLAR EM ARTICULAÇÃO COM O DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA 

AUTOR: Professor José Santos Silva (equipa BE)


quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Espaço: do Universo ao nosso Sistema Solar”.

Decorre na biblioteca escolar da EB 2, 3 Monsenhor Jerónimo Amaral até ao final do mês, a exposição "Espaço: do Universo ao nosso Sistema Solar”.organizada pelos professores de Físico-Químicas Anabela Videira e Sandra Alves, sobre o sistema solar.
Podem-se observar algumas maquetes.









sábado, 13 de janeiro de 2018

UM OLHAR DE LER E SABER


Atividade para promover a oralidade e a literacia da imagem COMPLETAMENTE CONSEGUIDA.
Já foi iniciada na disciplina de Geografia e agora inicia-se em Português.
Trabalhos dos alunos do 7º ano Tutrma C e E - professora Salete.Valente
PARABÉNS!


Na imagem, observo uma menina de origem afegã a olhar fixamente para alguém. A beleza fenomenal dos seus olhos contrasta com o seu olhar sério e assustado, cheio de medo. Tem um lenço roto a cobrir a cabeça e por baixo deste, um vestido verde talvez a combinar com a beleza dos seus olhos verdes.
Maria Manuel, 7º C


Neste retrato de fundo verde, sobressai uma bonita jovem de olhos verdes, de lábios carnudos e de lenço vermelho a envolvê-la. O lenço está rasgado, mas nem por isso torna o quadro mais feio, aliás pelo contrário mostra a combinação perfeita da roupa com a cor verde dos olhos. Estes parecem “vidrados”. O seu olhar fulminante parece querer dizer algo.
Madalena, 7º E


Na imagem vemos uma mulher a dar de mamar aos dois filhos, um de cada lado. As mãos sujas, o aspeto descuidado e o rosto rude, mostram-nos as condições difíceis que as mulheres asiáticas, que se dedicam à agricultura, vivem.

Guilherme Matias, 7º C


As primeiras palavras que me ocorrem quando olho para esta imagem: QUE POBREZA!! Ver uma mãe com o rosto sujo, a amamentar dois filhos ao mesmo tempo, comoveu-me, porque apesar da pobreza, aquela mãe protege os filhos, acarinha-os.
Danilo Monteiro, 7º E


Na imagem uma mulher e o seu filho estão a olhar para o interior de um carro, talvez a pediram esmola. Ao colo da mãe, que bate no vidro, a criança tem um olhar triste e desconfiado. A mãe tem um sorriso apagado, mas talvez esperançoso. Os seus corpos e as suas roupas estão todas molhadas, pois está a chover bastante. A criança está de manga curta, deve estar com frio.

Maria Portela, 7º C



Nesta imagem, observo uma mulher com uma criança ao colo. Parece indiana. As suas roupas não são adequadas para o tempo chuvoso. Isto mostra-nos as necessidades, o desespero de tantas mães que lutam para dar de comer aos seus filhos. A criança tem um olhar de tristeza, desconfiado e intimidado da criança que está na rua. A mãe bate ao vidro de um carro, talvez a pedir esmola. Esta imagem mostra a necessidade de muitas famílias.

Rosa Nunes, 7º E

 Na imagem vemos homens de raça negra, vestidos com alumínio, por causa das temperaturas baixas, após uma longa viagem. Olham o horizonte, sem saber o que os espera. Dá para reparar pelos seus rostos que não estão muito alegres. Parecem preocupados.

Rodrigo Borges, 7º C



Nesta imagem vejo pessoas que olham o horizonte tristes, perdidas sem saberem, talvez, o que vão fazer depois de desembarcarem rumo a uma vida nova. Eles estão cobertos com umas capas térmicas prateadas que combina com a sua cor e com o cenário negro das suas vidas. Estas capas protege-os do frio.

Francisco Teixeira, 7º E
 Nesta imagem, crianças de raça negra estão a escrever o sumário em francês, muito entretidas, na rua. Uma outra criança, de bola na mão, faz-se à fotografia. As suas roupas rotas, mostra-nos que é um menino pobre. Estão descalços e o facto de estarem na rua, leva-me a pensar que não têm escola como nós.
Hugo Lagoa, 7º C


Esta imagem mostra meninos a escrever num quadro preto, como se estivessem na sala de aula, mas na rua. Este retrato fez-me refletir na triste realidade em que vivem algumas crianças que, apesar da força de vontade para aprender, não têm condições. Não têm um professor para os ensinar, nem brinquedos para se divertirem. Algumas crianças, como eu, têm tudo o que se pode desejar: amor, casa, comida, brinquedos, roupa, escola e, ainda assim, nunca estamos satisfeitos, e estamos sempre a reclamar e queremos sempre mais. Ao olhar este quadro, pensei na sorte que tenho e percebi a importância que tenho em ter uma escola e em aprender. Há crianças que davam tudo para ter um lápis e um papel, para saber escrever e nós, as crianças sem problemas desta natureza, detestamos a escola, detestamos o conhecimento e o ensino. Esta imagem fez-me perceber na importância da mudança dos valores da sociedade, pois esta está cega e eu própria tenho de mudar e ajudar as pessoas mais carenciadas e, assim, estas vão ficar, com certeza, muito mais felizes.
Filipa Pereira, 7º E
 Nesta imagem um menino de raça negra faz-se à fotografia e está feliz, embora pareça ser pobre porque, por detrás dele, vemos um barraco de madeira e o facto de estar descalço. Mostra uma expressão alegre e humilde. Na maior parte das vezes, há pessoas com menos condições, mas são mais felizes do que aquelas que têm tudo o que querem. Qualquer coisa os faz felizes. Às vezes vejo pessoas a desperdiçar comida, a jogá-la ao lixo e isso está errado e causa-me tristeza, pois há bastantes meninos noutros países que com meia bolacha ficam muito felizes. A imagem mostra que, para além da pobreza e falta de condições de vida, há vidas que são felizes mesmo quase sem nada. Aquele menino parece ser feliz como qualquer outra criança e, mais especial ainda do que uma criança que tem tudo.

Maria Correia, 7º C


Nesta imagem vemos um menino a posar para a fotografia, com uma expressão feliz, além de viver na pobreza. Sujo, descalço, sentado numas escadas de cimento sem proteção, este menino pobre como tantos outros do seu país, parece estar feliz. Atrás de si, vemos um barril que serve de banco, uma mesa toda lascada e um barraco de madeira que deve ser a sua casa. O chão está todo negro, sujo e o menino pode magoar-se com um vidro, por exemplo. Atrás de si, a secar, está roupa pendurada num cordel. Ainda que haja crianças que têm vidas difíceis, isso não as impede de serem felizes.

David Lourenço, 7º E
 Na imagem vemos uma jovem debruçada sobre uma pia, com uma tristeza comovente e contagiante. Ao seu lado, um cão a observar a menina, também ele com um olhar triste. A imagem é reveladora das condições difíceis de certas crianças e da falta de esperança de muitas delas. O olhar da jovem parece perdido, pensativo e isso fez-me pensar que, afinal, sou um rapaz com sorte, pois sou feliz.

Gabriel Martins, 7º C


Este retrato mostra uma menina de rosto triste, apoiada numa espécie de um barril, com um cão a olhar para ela, triste.
Na cara da menina, vê-se como a vida é difícil. O seu olhar é apagado, distante, parece que nada á sua volta faz sentido. Apesar de tudo, ela é tão linda!
Gonçalo Santos, 7º E
Na imagem vê-se uma criança em três ângulos que correspondem a três expressões diferentes. O retrato mostra uma menina bonita, de olhos azuis e cabelo castanho, talvez seja árabe, por causa do lenço na cabeça. No primeiro quadro, à esquerda, ela tem um olhar desconfiado. O mesmo não se passa no segundo, onde a criança expressa um ligeiro e apagado sorriso. Parece que vai chorar. O quadro à direita, mostra-nos uma menina que parece estar zangada. Os três retratos têm em comum a beleza de uma criança, de olhos azuis como o mar, os lábios carnudos, o rosto perfeito, mas com um olhar de infelicidade, o que não deveria acontecer porque as crianças deveriam ser todas felizes.
Maria Clara, 7º C


Este retrato mostra-nos uma bela menina em poses diferentes e com expressões diferentes. Os olhos são azuis, os lábios carnudos, os cabelos pretos, cobertos com um lenço vermelho. Apesar de diferentes, os três retratos mostram uma menina que não tem um olhar alegre.

Gonçalo Duro, 7º E

 Nesta imagem está representado um bairro pobre, com uma jovem debruçada num parapeito de uma janela. No bairro pode ver-se prédios degradados, jardins sem beleza com lixo amontoado pelo chão. A criança está descalça, despenteada, num local perigoso e demonstra o perigo e as condições em que certas crianças vivem. Na cara da criança, podemos ler a tristeza, a desilusão de tantas crianças!!.
Francisca Martins, 7º C


Nesta imagem, vemos uma menina suja, despenteada no parapeito de uma janela de um prédio estragado e negro, assim como todos os outros que estão ao lado. O jardim está todo sujo e cheio de lixo.

Maria Eduarda, 7º 
 Nesta imagem vê-se uma jovem africana no meio da savana, junto a uma casa coberta de palha e feita de terra batida. Destaca-se neste retrato  a diferença entre o espaço pobre, abandonado, e a beleza estonteante, típica de uma modelo. Esta imagem transmite-nos calma, tranquilidade, uma beleza invejável. De raízes africanas, o que mais me impressiona nesta imagem é a jovem rapariga, de vestido amarelo, o seu penteado, típico de África, e a sua pose sensual. O seu olhar está virado para o horizonte.
Lara Azevedo, 7º C

Esta imagem faz-me pensar que este retrato foi tirado na África, na savana, dada a pouca vegetação. Vê-se uma casa feita de pedras, de terra batida e coberta por palha e uma “ viga” que a sustenta. A bela e jovem rapariga traz um colar que parece feita de pedras. Embora o cenário pareça de abandono, a jovem parece rica, devido ao vestido e à carteira. O seu olhar está virado para o horizonte, muito pensativa.
Tomás Gomes, 7º E
 Na imagem vemos uma mulher que, pelas rugas, parece ter uns oitenta anos. As suas mãos sujas, gretadas, de apanhar batatas, revelam a dureza dos trabalhos árduos da agricultura. O seu olhar perdido, a olhar o horizonte, é revelador das condições difíceis que certas mulheres, de algumas sociedades, têm na vida.

Diogo Violante

Esta imagem mostra uma pessoa de rosto sofrido pelo trabalho do campo. O seu olhar mostra um vazio de quem olha para o horizonte sem esperar por nada. As suas mãos tão sujas de arrancar batatas, as roupas pobres e típicas das aldeias do oriente, revelam a sua condição social.
António Mendes, 7º E
 O retrato mostra um quadro familiar: uma mãe com o seu filho e a cobri-lo com a sua manta. O filho tem um olhar triste, a mãe, de cara virada para o chão, tem amargura no seu olhar.

Leandro Eira, 7º C

A imagem apresenta uma senhora com o seu filho ao colo, cobertos com uma manta. O menino tem um olhar triste, a senhora tem o olhar direcionado para o chão. O olhar é triste, de desilusão. De facto, na vida nem todos têm a mesma sorte!!!                  
Betânia Andrade, 7º C

 Na imagem vejo uma criança com um olhar assustado e preocupado. A sua mãe tenta protegê-lo, cobrindo-o com uma manta, o que revela que podem estar em perigo. Isso demonstra o que todos os dias vemos acontecer: pessoas a fugir da guerra até conseguir chegar a lugares seguros, onde possam viver as suas vidas, sem preocupações.
Esta imagem deixa-me triste, pois esta realidade não se passou há cem anos atrás, ela é real e atual.
Cristiana Azevedo, 7º E
  Nesta imagem vejo uma jovem rapariga, de cabelos pretos e olhos castanhos, à janela, com um olhar abandonado. Veste uma camisola branca e tem uma pulseira preta. Está com um olhar distante, infeliz e triste. A sua posição e o seu olhar pensativo faz-nos pensar na vida de certas crianças e jovens. 
Carolina Gomes, 7º C

A imagem mostra uma menina triste, debruçada sobre o parapeito de uma janela suja. Ela parece ser de origem asiática, pelos seus olhos rasgados. Tem um relógio. O seu olhar parece pensativo.

Francisco Almeida, 7º E

 Na imagem vemos duas crianças de raça diferente, uma albina, a outra negra. Dormem profundamente, de mãos dadas, havendo nelas paz, harmonia, ternura. Este retrato faz-me pensar que não pode haver racismo, porque todos somos iguais na diferença.
O que sobressai neste quadro tão singelo é a ternura, o sossego profundo que envolve as duas criancinhas, deitadas sobre uma manta colorida.
Ana Margarida, 7º C


Nesta imagem, podemos observar dois bebés, provavelmente recém-nascidos, de reças diferentes. Apesar da diferença da cor, parecem dar-se bem e, provavelmente, vão continuar assim, pois nada os impede que sejam amigos.
Esta imagem transmite tanta fofura e tanta calma que é impossível expressar isso tudo em palavras, ou numa simples imagem. Este quadro, se visto por pessoas racista, poderá ser mal interpretado, mas não é nada mais, nada menos do que dois seres humanos lindos. As pessoas não devem ser julgadas pela etnia, raça ou religião. Esta imagem transmite-nos a ideia de que não se deve ser racista, pois apesar de sermos de cor diferente, somos todos humanos. No fundo do nosso ser, somos todos iguais.
Magda Gonçalves, 7º E
Na minha opinião, a imagem revela um pesadelo infelizmente real para muitos os que são envolvidos na guerra. Este retrato transmite tristeza, desilusão de muitos homens, mulheres e crianças e, acima de tudo, um clima de destruição, onde só existe pânico e desespero.
Observo gente desesperada, desiludida, a fugir dos bombardeamentos e a ver o resultado de uma vida a ser destruído num minuto, sem poder impedi-lo. Têm que deixar tudo para trás e começar tudo de novo. Vejo crianças com olhares que magoam, homens a tentar salvar bebés no meio de toda a confusão e destroços por todo o lado, enfim, uma imensa infelicidade!

Daniel Mestre, 7º C



Neste retrato, vejo uma cidade destruída, em que pessoas desesperadas salvam crianças desta estúpida guerra criada por pessoas egoístas, ávidas pelo poder. Estas imagens reais fazem-me sentir triste por não conseguir fazer nada para os ajudar. Sinto-me impotente, tal como tantos outros se sentem ou sentiriam se vissem estas imagens de destruição. Talvez eu e outras pessoas pudéssemos fazer algo, mas a falta de coragem, o medo impede-nos com receio de morrer. Tanto dinheiro gasto em luxúria que poderia ser aplicado na construção das cidades destruídas, no salvamento de inocentes que nascem ao som das balas e dos mísseis da guerra, na construção ou reconstrução de hospitais destruídos.
Que retrato horrendo!!!
Maria Helena, 7º E

 De olhar triste e apagado, esta jovem, talvez de origem afegã, por causa do lenço típico das mulheres islâmicas, exibe uma beleza fascinante que contrasta com o seu olhar. Ressalta aos olhos a combinação dos olhos azuis com o lenço da mesma cor.
O seu rosto sujo revela, talvez, as condições de vida difíceis deste povo.
Carlota Ribeiro, 7º C

 Pobreza e a guerra marcam o olhar de uma jovem que tenta esconder a sua tristeza com um véu. Sorriso? Não existe, talvez devido ao que se passa no seu país, onde as mulheres são desprezadas, não podendo rir em sítios públicos onde estejam homens.
A sua face desgastada e suja pelo rasto que a guerra deixa em todos os inocentes, deixou-me triste porque nem todas as crianças são felizes.
Margarida Aires, 7º E
A imagem mostra a pobreza e a falta de alimento que há no mundo. Nós, seres humanos, desperdiçamos comida, quando certas pessoas sofrem, padecem, sem roupa, comida. Um menino muito pequeno, esquelético, está à beira da morte, sem roupa, no chão árido e agreste. Um abutre atento e ameaçador espera o momento certo para apanhar a sua”presa”. Estre retrato leva-nos a refletir sobre a fome no mundo. O que nós desperdiçamos poderia fazer feliz tantas crianças e fazer a diferença na vida de tantas pessoas!
Senti-me envergonhado, egoísta, injusto, mal-agradecido e um jovem de sorte, quando vi este retrato que envergonha o ser humano!

Diogo Ribeiro, 7º C


 Eu vejo nesta imagem uma criança quase a morrer, subnutrida, no chão. Um animal, um abutre, está à espera que o menino morra para o comer.
Como é possível uns terem tanto de comer, e outros morrem à fome, sós, sem ninguém para os proteger?!

Miriam Gonçalves, 7º E

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

BERLIN - exposição temática

VAMOS APRENDER MAIS SOBRE UMA CIDADE EUROPEIA
BERLIM
Em exposição na biblioteca.
Articulação entre a Biblioteca Escolar e o Departamento de Línguas
De 15/11/2017 a 3/01/2018 
Poderás ver aqui o E-Book


FICHA TÉCNICA
TÍTULO: BERLIN
TEXTO, TRADUÇÃO E IMAGENS: Maria Jorge Azevedo, Cristina Esteves e Sónia Vaz.
IMAGEM DE CAPA: https://super.abril.com.br
ARRANJO GRÁFICO; Anabela Quelhas
PRODUÇÃO: Agrupamento de Escolas Morgado de Mateus
Exposição temática, articulada entre a  Biblioteca  Escolar MJA e  a disciplina de Alemão
E-book

Novembro de 2017